Peugeot 405

1987-1997 de lançamento

Reparo e operação do carro



Peugeot 405
+1. Instrução de manutenção
+2. Manutenção
+ 3. Motores
- 4. Sistema de combustível
   +4.1. Sistema de combustível com o carburador
   -4.2. Sistemas de ponto único de injeção de combustível
      4.2.1. Remoção de pressão em sistema de combustível
      4.2.2. Ajuste de um fio de um acelerador
      4.2.3. Bomba de combustível
      4.2.4. Injetor
      4.2.5. Cheque de sistema de injeção de combustível
      4.2.6. Elementos de sistema de injeção Fenix
      4.2.7. Elementos de sistema de injeção Monoponto de Bosch
      4.2.8. Elementos de sistema de injeção Magneti Marelli
   +4.3. Sistemas de pontos múltiplos de injeção de combustível
+5. Sistemas de lubrificação, coolings
+6. Sistema de lançamento
+7. União
+8. Transmissões
+9. Cabos de poder
+10. Direção
+11. Suportes de forma triangular de interrupção
+12. Sistema de freios
+13. Corpo
+14. Equipamento elétrico


cbc19809

4.2. Sistemas de ponto único de injeção de combustível

INFORMAÇÃO GERAL

O sistema de combustível compõe-se do tanque de combustível que se instala abaixo do fundo do carro (com a bomba de combustível elétrica) embarcado em um tanque, o filtro de combustível, a oferta e mangueiras restituíveis, um injetor com um bocal de combustível e o regulador de combustível da pressão. Além disso, há um dispositivo de controle eletrônico (ECU), vários sensores e componentes elétricos. O filtro de ar contém o papel disponível que filtra elemento e inclui um sistema de controle da temperatura do ar que chega.
Prevenção

O sistema de combustível constantemente é abaixo da pressão, até no motor desligado.


O sistema da injeção do combustível de ECU – o sistema autoajustado que controla e guarda a condição favorável de fornecimento de dados colocação de poder operacional em vários loadings. No momento da paralisação do acumulador há uma eliminação de dados e para a sua restauração é necessário começar o motor e tomá-lo perdendo tempo até que o sistema se construa. Este processo vai se realizar melhor executando o teste de caminho dentro de 15 minutos em 2500–3500 revoluções por minuto.

FENIX 1B SISTEMA

O Fenix IB sistema – o sistema conjunto de ignição e injeção de combustível. Usando entradas de vários sensores o dispositivo de controle eletrônico calcula a duração ótima de um impulso de um bocal de combustível e a instalação de um avanço da ignição para fornecer a colocação de poder operacional.

O dispositivo de controle eletrônico recebe sinais dos seguintes sensores:

 – sensor de frequência de rotação do motor;
 – o sensor de pressão absoluta em um coletor;
 – o sensor de temperatura do ar embebido;
 – sensor de provisão de uma válvula de borboleta;
 – o sensor da temperatura de esfriar o líquido;
 – sensor de oxigênio.

A velocidade de perder tempo dirige-se pelo dispositivo de controle eletrônico via a válvula de ajuste da velocidade de perder tempo.
O sensor de oxigênio permite ao dispositivo de controle eletrônico fazer funcionar a composição da mistura de combustível nos limites que permitem o uso do conversor catalítico.

O dispositivo de controle eletrônico constantemente modifica composição da mistura de combustível, voltas de perder tempo e a instalação de uma esquina de um avanço da ignição para assegurar a eficiência em todos os modos operacionais e reduz a emissão de gases de escape.

MÃE DE MONOPONTO DE BOSCH 3,0 SISTEMA

O sistema de controle de Bosch o motor de MA3.0 (ignição / o sistema da injeção do combustível) inclui o conversor catalítico e um sistema de controle do lançamento de vapores do combustível, e também executa os últimos padrões da gestão de questão. O sistema trabalha como se segue. A bomba de combustível embarcada no tanque de combustível dá o combustível do tanque de combustível a um bocal de combustível via o filtro. A pressão de combustível no sistema dirige-se pelo regulador de pressão. O regulador permite a combustível excessivo voltar ao tanque de combustível.

O sistema de controle elétrico compõe-se do ECU em conjunto com os seguintes sensores:

 – o potenciômetro de uma válvula de borboleta – informa ao ECU a provisão de abertura ou encerramento de uma válvula de borboleta;
 – o sensor da temperatura de esfriar o líquido – informa à temperatura de motor de ECU;
 – o sensor da temperatura do ar que chega – informa a passagem de temperatura aérea de ECU por uma válvula de borboleta;
 – o sensor de lambda – informa ao ECU do conteúdo de oxigênio em gases de escape;
 – o microcomutador – informa ao ECU quando a válvula de borboleta se fecha (é quando o pedal da gestão de provisão do combustível não se aperta);
 – o sensor da provisão de um cabo de inclinação – informa ao ECU a frequência da rotação do motor e a provisão de um cabo de inclinação;
 – o sensor de velocidade do carro (na transmissão).

G6 MAGNETI MARELLI G5 I SISTEMAS


O sistema de controle do motor de Magneti Marelli instala-se em motores XU5. O trabalho do sistema é semelhante ao trabalho da MÃE de Monoponto de Bosch 3.0. O sistema de controle elétrico compõe-se do ECU junto com os seguintes sensores:

 – o sensor da pressão absoluta em um coletor – informa à depressão de ECU em um coletor de entrada;
 – o sensor da provisão de um cabo de inclinação – informa ao ECU a frequência da rotação do motor e a provisão de um cabo de inclinação;
 – o potenciômetro de uma válvula de borboleta – informa ao ECU a provisão de abertura ou encerramento de uma válvula de borboleta;
 – o sensor da temperatura de esfriar o líquido – informa à temperatura de motor de ECU;
 – o sensor da temperatura da mistura de combustível – informa à temperatura de ECU da mistura de combustível que vem ao motor;
 – a lambda o sensor (oxigênio) – informa ao ECU o conteúdo de oxigênio em gases de escape.

Além disso, o ECU adapta-se à tensão abaixada na bateria recarregável, modificando a largura de um impulso de um bocal e modificando a provisão inicial de uma válvula de borboleta (o motor adicional) para o aumento em voltas de perder tempo.

O método digital com o uso dos dados que se introduzem antes na memória do sistema aplica-se ao processamento de sinais de sensores.

Se houver um erro em algum dos dados obtidos do sensor, o ECU inclui-se em um caminho do duplicador de corrente. Neste caso o ECU ignora o sinal incorreto do sensor e aceita o valor anteriormente programado que permitirá ao motor continuar o trabalho (embora com a mais pequena eficiência). Se o ECU se incluir em um caminho do duplicador de corrente, a lâmpada do sistema alarmante no painel iluminará e o dano vai se escrever na memória do ECU. Depois disto é necessário executar o teste cheio de um sistema de controle do motor, usando o banco de experiência diagnóstico eletrônico especial que somente se acende na tomada diagnóstica do sistema.


Prevenção

Durante o trabalho no sistema de combustível é necessário tirar anteriormente a pressão no sistema.